Pular para o conteúdo principal

Projeto Aspectos do Vinho


evento vínico no Norte de Portugal

Degustações vínicas no Norte de Portugal

Os eventos e degustações vínicas aqui em Portugal ficam muito limitados às grandes cidades, mais turísticas, mais "pops" por serem mais famosas do país, como por exemplo Lisboa e Porto. 
 
Nesse um ano e pouco que estou no interior, Vila Real, os eventos mais pontuais acontecem no verão durante todos os finais de semana, praticamente em todas as cidades.São festivais culturais típicos de cada cidade que envolvem música, dança, artesanato, comida, bebidas e etc. No inverno, por causa do clima, parece que as pessoas ficam com mais preguiça de sair de casa e a oferta de eventos temáticos são bem menores (comparados com o verão!). 

Patrimônio, identidade e pertença do e no Norte português

Pensando nas degustações vínicas que São Paulo propunha, independente das estações do ano, foi vista a necessidade de fazer o mesmo em Vila Real: eventos que valorizassem a cultura, a história, as vinhas e os vinhos do Norte, levando ao conhecimento de todos como o patrimônio, a identidade e pertença estão enraizados em cada nativo português e em cada residente "gringo" que foi abduzido pela cultura, gastronomia e vinhos portugueses.

E cá estou eu imersa nesse projeto, não só como sommeliére mas também como mestranda em Ciências da Cultura, contribuindo com o lado cultural que é um dos alicerces estruturais da linha cronológica e histórica vínica.
 

Workshops

Vinhos Espumantes - Método Tradicional

Esta semana aconteceu aqui em Vila Real o "Vinhos Espumantes - Método Tradicional", no Galeria Bar do Café Concerto. Esse workshop, como os outros que ainda virão em 2019, faz parte do Projeto Aspectos do Vinho que tem o intuito de divulgar e fomentar a cultura vitivinícola portuguesa, com foco inicial na Região Norte.


O evento foi um sucesso, os palestrantes Rui Santos e Eduardo Amorim, abordaram o tema de forma educativa e bem elucidativa sobre o método tradicional de produção, os fatores que contribuem para a qualidade e curiosidades do mundo dos espumantes.

A degustação orientada contou com vinhos das empresas parceiras Monte da Ravasqueira, ViniLourenço, Quinta D'Amares e Quinta de Soalheiro. Recebeu o apoio da Utad - Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, Neagro - Núcleo de Estudantes de Engenharia Agronómica e Casa de Anciães.

Técnicas de Degustação

O primeiro de todos teve como tema "Técnicas de Degustação", foi voltado para os mestrandos de enologia da Utad e colaboradores da área. As empresas parceiras foram Quinta Alta, Terras de Mogadouro. O de Espumantes foi aberto à todos. Um dos intuitos do projeto é desmistificar o vinho e formar público consumidor.



Cheers!🍸🍸

Comentários

Popular Posts

Restaurante Cais da Villa

  O cais mais chique 'da' Vila...Real.  Depois de 4 anos morando aqui, sempre tinha ouvido falar sobre esse restaurante, entretanto, a vida de estudante não permitia o investimento financeiro aos comes e bebes do estabelecimento.  Sim, Vila Real é movida pela Universidade. São mais de 7.000 novos alunos que chegam anualmente para estudarem aqui. Durante a pandemia, virou uma cidade fantasma. Sem praxes e festas acadêmicas, sem agito, sem nada.  Todavia, eu tenho que admitir, os universitários sacodem tudo e levantam a poeira. Portanto, o público-alvo do Cais da Villa não é voltado para eles. É realmente um restaurante caro para o interior do Norte de Portugal. Talvez se estivesse em uma cidade mais cosmopolita e turística como Lisboa, Porto, Coimbra ... daria para entender, mas em VR?  Enfim, eu fui! O Cais da Villa está situado na estação ferroviária, em um antigo edifício histórico com mais de 100 anos: "Neste espaço de ambiente informal funciona o restaurante à carta,

É Beef Wellington, Boeuf en Croute ou Steig Wellington?

A cultura gastronômica do bife mais famoso Esses dias eu, sem querer, vi um vídeo do chef francês Claude Troisgros no qual ele ensinava um adolescente a fazer o Bife Wellington. Claro que eu assisti o passo a passo todo e o meu apetite abriu na hora! Mas uma curiosidade surgiu: por que esse prato recebe o nome de Wellington? Quem foi Wellington? O que ele fez? É uma figura importante? E lá fui eu matar a minha curiosidade. Origem do prato Arthur Wellesley, primeiro duque de Wellington Para início de conversa, ou leitura, a origem do prato é incerta e não se sabe se é francesa, inglesa ou irlandesa. P ude encontrar um melhor aprofundamento informativo em The Food Timeline , além de receitas datadas em ordem cronológica através de uma linha do tempo e várias versões que recebem o mesmo nome. Tudo indica que existe uma contenção histórica a respeito da origem do Bife Wellington, entretanto, os historiadores apontam que o nome foi dado em homenagem a Arthur Wellesley, primeiro duque de We

Você sabe por que o Crepe recebeu o nome de Suzette?

Curiosidades da cultura gastronômica Uma das coisas que mais atiça a minha curiosidade é saber porque os pratos recebem nomes próprios. É muito comum ver ruas com nomes de pessoas que fizeram diferença e foram importantes para a cidade, mas na gastronomia muitos dos "batismos" não são por causa do chef que inventou tal prato e muito se deve à situação ou momento que foi criado. Esse delicioso crepe aponta algumas versões, entretanto todas são interessantes.  Primeiro de tudo: o que é Crêpe Suzette? É uma sobremesa. Considerada uma panqueca bem leve e fininha que é servida dobrada em um molho de laranja, limão (alguns colocam), açúcar e manteiga com licor de laranja ou conhaque e flambada à mesa. A receita original usa o Licor de Curaçao (de laranja amarga) e, posteriormente, o licor Grand Marnier foi adotado à receita que também é um licor de laranja feito de conhaque Cognac. Origem incerta... Versão 1:  Tudo indica que foi em 1896, no Café de Paris em Monte Carlo, pelo chef