Pular para o conteúdo principal

Solstício de Verão - Litha - Midsummer: revelando a gastronomia dos feiticeiros!

solstício de verão

E então, hoje, no Hemisfério Norte, estamos no Solstício de Verão. Ou seja, chegamos ao dia mais longo e à noite mais curta do ano. Momento de celebrar a fertilidade, abundância e prosperidade. Afinal, é a natureza que provém os nossos alimentos.

Como assim?!

Vou voltar ao antepassado para explicar melhor: celtas, antigos bruxos e povos pagãos já se reuniam para celebrar vários festivais sazonais durante o ano e são chamados de Sabbats (ou Sabás). Essas reuniões fazem parte da Roda do Ano, pois para eles o tempo é cíclico, corria de forma circular, e seus calendários eram baseados nos ciclos solar e lunar (não linear como o nosso), ou seja, a posição da Terra em relação ao Sol: Equinócios e Solstícios.

A Roda do Ano... 

solstício de verão
...festeja as estações do ano e as colheitas, homenageia a Deusa Mãe (Lua simbolizando a Terra) e o Deus (consorte e filho). São 8 celebrações anuais que sincronizam a energia dos seres humanos com o ciclo da vida, do Planeta Terra e o Universo.

...retrata o Caminho do Sol (seu nascimento, crescimento, união com a Deusa, seu declínio e sua morte) correspondendo às diversas expressões do Deus (como personalidade, ego e a importância do Eu verdadeiro), ou seja, da mesma forma que o Sol nasce e se põe todos os dias, bem como a Primavera faz a Terra renascer após o Inverno, o Deus ensina ao ser humano que a Morte é parte do Ciclo Infinito da evolução humana e novamente nascer do Útero da Mãe.

O Midsummer significa... 

...solstício de verão, também conhecido como Litha, feriado pagão.

...a Deusa está cheia e grávida, e o Deus Sol no auge de sua virilidade, de seu poder vital, pois este é o pico do ano solar. Litha é sagrado para a Deusa Mãe e para as gestantes. À medida que a Terra fica gorda com frutas e vegetais, a Deusa cresce com vida.

...a Terra está repleta de fertilidade e plenitude e este é um momento de alegria e celebração, de expansão e comemoração de conquistas.

Entretanto, dentro desse clímax está o sussurro e a promessa de um retorno ao escuro, pois conforme a luz atinge seu auge, além de marcar o pico da estação de cultivo, permitindo que as pessoas saibam que a colheita está chegando, também significa que é o momento em que o poder do Sol começa a diminuir. Ou seja, a partir de agora, os dias ficam mais curtos e as noites mais longas, atraindo os seres humanos de volta ao escuro para completar o ciclo, a Roda do Ano.

Tradições e símbolos do verão

The Green Man, Jack-in-The-Green, Green Lady e Garden Goddess

solstício de verão
São alguns aspectos vegetativos da divindade invocados para esta celebração, pois é nesta época do ano que as árvores, vegetais e outras plantas estão no ápice, enfeitadas com folhas verdes, com flores ou frutas. Essas divindades representam o crescimento e abundância das plantas.

Fogo

solstício de verão
Tradicionalmente, as pessoas ficavam acordadas a noite toda na véspera do Solstício de Verão para dar boas-vindas e assistir o nascer do Sol. Fogueiras eram acesas em locais sagrados, como no topo das colinas, para homenagear o nascimento do Sol em sua plenitude.

As fogueiras representavam a força solar e concediam mais energia ao Deus para que o verão perdurasse mais tempo a fim de que o inverno não fosse tão rigoroso.

Em Litha, a fogueira representa o reflexo do Sol no auge de sua força. A madeira escolhida costumava ser o carvalho e ervas aromáticas eram espalhadas pelo fogo. Essas ervas eram para abençoar os animais.

Tochas acesas era postas no sentido horário ao redor de casas e campos. Os carvões do fogo do solstício de verão eram espalhados nos campos para garantir uma boa colheita. E as pessoas dançavam ao redor e pulavam a fogueira para terem boa fertilidade.

Ervas, Carvalho e Visco

solstício de verão
Todas as ervas estão atingindo a plenitude de sua potência curativa e nutritiva. Era muito comum presentear as pessoas com variados tipos de ervas nesta época. 

A adoração de árvores sempre desempenhou um papel nas festividades desta época. O nome celta para Carvalho é Duir, que significa porta, representando a transição para a segunda parte final do ano.

O Visco era reverenciado pelos celtas e considerado muito potente quando crescia em Carvalho, a mais nobre das árvores, crescendo entre os mundos do céu e terra. É nesta época que atinge o seu poder. 

Flores e Mel

solstício de verão

Todo o reino das flores está chegando ao ápice, totalmente aberto, cheio de cores e exalando perfume. Com isso, as abelhas entram em ação. Esses adoráveis seres começam a produção de mel.

A lua cheia do Solstício de Verão é conhecida como Lua de Mel pelo hidromel agora disponível, que também faz parte dos casamentos realizados nesta época do ano para celebrar e brindar à abundância vivificante do Sol. 

Hidromel é uma bebida alcoólica fermentada cuja maior parcela dos açúcares que a criou são provenientes do mel. É considerado uma bebida solar divina, com propriedades mágicas e restauradoras de vida.

Ok! Mas e a gastronomia nesse contexto todo?

solstício de verão
Embora haja algumas notas para carnes tradicionais, os alimentos habituais para o Solstício de Verão incluem produtos sazonais da culinária vegetariana. Por exemplo:

  • Vegetais verdes: ervilhas, vagem, feijão verde, alface, brócolis e abobrinha (corgete) representam as divindades vegetativas como o Green Man e Garden Goddess. Esses alimentos fornecem muitas vitaminas e minerais para corpos saudáveis. É um banquete focado na Terra.
  • Vegetais amarelos, laranjas e vermelhos: abóbora, cenoura, tomate e pimentão incorporam as cores do sol e a energia do dia mais longo e contêm vitaminas que promovem a boa visão.
  • Saladas de frutas ou pães de frutas: celebram a generosidade dos pomares que começam a produzir. Eles também podem apresentar as cores do sol. O Sun Bread possui uma massa branca ou amarela com frutas brilhantes. 
  • Alimentos feitos com o sol: incluem tomates secos ao sol, couro de frutas, chá de sol e sementes de girassol. Todos eles capturaram a força e energia solar que são benéficos para a saúde.
  • Peixes defumados: arenque e salmão, são exemplos de iguarias tradicionais da Suécia e Finlândia durante o Solstício de Verão. Como a pesca é importante fonte de alimento e renda para várias culturas, os peixes representam abundância e prosperidade. A fumaça vem do fogo, outro aspecto de Litha.
  • Alimentos cozidos na chama: churrascos e alimentos grelhados, kebabs e espetos de vegetais evocam de forma semelhante a energia do sol com sua passagem pelo fogo. 
  • Leite e queijo: iguarias na Suécia e Finlândia, pois suas vacas só davam leite na primavera e no verão, aproveitando para fazer laticínios fermentados, mingaus de leite, panquecas e doces.
  • Açafrão: para ter amor e harmonia para toda a vida é só temperar a comida com açafrão, pois esta é erva do amor dos Deuses e tem muita energia solar.
  • Alecrim: elimina as forças negativas e é purificante. Representa a energia masculina e a pura essência solar, além de ser muito saboroso no preparo de receitas, o chá descarrega os males, traz proteção e saúde. 
  • Sorvete: sobremesa que pode incluir frutas frescas. Uma combinação de sabores de morango, framboesa ou cereja e menta ou limão seria uma excelente celebração para homenagear a natureza. 
  • Mel: produção das abelhas (que simbolizam o Deus) resulta nesse doce (que simboliza a Deusa). Traz harmonia e atrai boas energias para o amor, inclusive! 
  • Banana: simboliza a beleza e a força de Deus durante o verão. A casca da banana é muito usada para proteção e banhos de descarrego. Consumir a fruta pura, é absorver toda a sua força e proteção.
  • Louro: considerada a folha da vitória, possui aroma e sabor deliciosos, trazendo prosperidade, dinheiro e energia solar. Tem propriedades benéficas para saúde, é ótimo para temperar receitas ou beber o seu chá.

"Bora" cozinhar?

Há várias receitas que são preparadas para este dia com a intenção de homenagear o Deus Sol e absorver todas as boas energias. 

Na tradição celta, o salmão está associado ao conhecimento. Dizem que a primeira pessoa a provar este delicioso peixe recebeu todos os tipos de sabedoria! Como já foi dito, o fogo é parte dos rituais do Solstício de Verão, e por que não colocar um salmão à chama para que possa compartilhar conhecimento? Por isso eu escolhi uma receita básica e fácil de preparar:

Salmão da Sabedoria

salmão de solstício de verão
 
Ingredientes: 

  • 900 g de filé de salmão (com pele), 
  • 1/4 de xícara de molho de soja, 
  • 1/4 de xícara de mostarda Dijon, 
  • 1 colher de chá de pimenta-caiena, 
  • 3 dentes de alho picados, 
  • 1/4 de xícara de azeite. 

Modo de preparo: misture bem o azeite, molho de soja, mostarda, alho e pimenta em uma tigela. Pincele o peixe usando a metade do molho e coloque os filés na grelha com a parte pincelada para baixo (a pele para cima). Deixe por 6-7 minutos. Depois, pincele o resto do molho no lado da pele e vire os filés. Deixe por 5 minutos e retire do fogo. Antes de servir, coloque o peixe em cima de uma cama com suas verduras e vegetais de verão favoritos e espere descansar por volta de 10 minutos.

Atenção: peixe bem cozido é aquele que não está muito seco. Quando você retira o salmão da grelha, pode parecer que está mal cozido no centro. No entanto, durante o descanso de 10 minutos, o próprio calor fará com que termine de cozinhar. Não deixe o salmão no fogo até que "pareça cozido" no meio, porque a essa altura vai ficar seco e perder o sabor.

Harmonização

Aqui vai depender do acompanhamento que escolher para o seu salmão, mas seguindo o tempero e a dica dos vegetais da estação, sugiro dois vinhos que eu amo loucamente:

  • Gewürztraminer (da Alsácia) ou
  • Vinho laranja
Ambos possuem um bom volume de boca, são frescos, frutados, topam bem as especiarias e temperos, os vegetais e o salmão.

 

Por isso que eu digo: a cozinha é alquimia, é magia, é energia e a natureza é perfeita! Tudo que é feito na intenção que queremos, com foco, concentração e determinação, dá certo. Cozinhe com o coração. 

 

Dica da próxima leitura: Mas afinal... A Páscoa é de origem pagã, judaica ou cristã?

Fontes e imagens: The Goddess and The Green Man ; Greenheaven: A Pagan Tradition; Portal Divina Feminina: Saberes Ancestrais do Sagrado Feminino; Wicca e Bruxaria; Jack in the green the guardian of the woods; iQuilíbrio; Learn Religions; Safta Bee; Best Wallpapers;Naturalmente Bruxa.

Comentários

Popular Posts

Restaurante Cais da Villa

  O cais mais chique 'da' Vila...Real.  Depois de 4 anos morando aqui, sempre tinha ouvido falar sobre esse restaurante, entretanto, a vida de estudante não permitia o investimento financeiro aos comes e bebes do estabelecimento.  Sim, Vila Real é movida pela Universidade. São mais de 7.000 novos alunos que chegam anualmente para estudarem aqui. Durante a pandemia, virou uma cidade fantasma. Sem praxes e festas acadêmicas, sem agito, sem nada.  Todavia, eu tenho que admitir, os universitários sacodem tudo e levantam a poeira. Portanto, o público-alvo do Cais da Villa não é voltado para eles. É realmente um restaurante caro para o interior do Norte de Portugal. Talvez se estivesse em uma cidade mais cosmopolita e turística como Lisboa, Porto, Coimbra ... daria para entender, mas em VR?  Enfim, eu fui! O Cais da Villa está situado na estação ferroviária, em um antigo edifício histórico com mais de 100 anos: "Neste espaço de ambiente informal funciona o restaurante à carta,

É Beef Wellington, Boeuf en Croute ou Steig Wellington?

A cultura gastronômica do bife mais famoso Esses dias eu, sem querer, vi um vídeo do chef francês Claude Troisgros no qual ele ensinava um adolescente a fazer o Bife Wellington. Claro que eu assisti o passo a passo todo e o meu apetite abriu na hora! Mas uma curiosidade surgiu: por que esse prato recebe o nome de Wellington? Quem foi Wellington? O que ele fez? É uma figura importante? E lá fui eu matar a minha curiosidade. Origem do prato Arthur Wellesley, primeiro duque de Wellington Para início de conversa, ou leitura, a origem do prato é incerta e não se sabe se é francesa, inglesa ou irlandesa. P ude encontrar um melhor aprofundamento informativo em The Food Timeline , além de receitas datadas em ordem cronológica através de uma linha do tempo e várias versões que recebem o mesmo nome. Tudo indica que existe uma contenção histórica a respeito da origem do Bife Wellington, entretanto, os historiadores apontam que o nome foi dado em homenagem a Arthur Wellesley, primeiro duque de We

Você sabe por que o Crepe recebeu o nome de Suzette?

Curiosidades da cultura gastronômica Uma das coisas que mais atiça a minha curiosidade é saber porque os pratos recebem nomes próprios. É muito comum ver ruas com nomes de pessoas que fizeram diferença e foram importantes para a cidade, mas na gastronomia muitos dos "batismos" não são por causa do chef que inventou tal prato e muito se deve à situação ou momento que foi criado. Esse delicioso crepe aponta algumas versões, entretanto todas são interessantes.  Primeiro de tudo: o que é Crêpe Suzette? É uma sobremesa. Considerada uma panqueca bem leve e fininha que é servida dobrada em um molho de laranja, limão (alguns colocam), açúcar e manteiga com licor de laranja ou conhaque e flambada à mesa. A receita original usa o Licor de Curaçao (de laranja amarga) e, posteriormente, o licor Grand Marnier foi adotado à receita que também é um licor de laranja feito de conhaque Cognac. Origem incerta... Versão 1:  Tudo indica que foi em 1896, no Café de Paris em Monte Carlo, pelo chef