Pular para o conteúdo principal

COVID-19: Descobrindo a magia da cozinha em tempo de quarentena!

aprimorando os saberes e dotes culinários
 

Vamos aprimorar os saberes e dotes culinários?

Olá a todos! Estive ausente por "n" motivos e o principal foi o final de mestrado e o começo do doutorado, que foram dois fatores que exigiram foco exclusivo. Tantas coisas pra colocar em dia, que talvez eu consiga, enquanto estiver nessa quarentena, me organizar e escrever pra vocês! Agora estou , como se fosse pouco, com o doutorado ocupando toda a minha atenção. É punk!

Ontem eu coloquei no Instagram uma imagem que dizia pra aproveitar esse momento recluso por causa do COVID-19 e convidar as pessoas a se aventurarem na cozinha, descobrir os cheiros e sabores dos alimentos, pesquisar sobre "saberes", ou seja, seus benefícios para a saúde, descobrir a magia culinária através do forno e do fogão, uma vez que as comidas rápidas e o micro-ondas favorecem na redução do tempo de preparo da refeição.

Cozinha terapia... pratique!

Que tal deixar a preguiça de lado, colocar aquele avental, arregaçar as mangas e chamar a família para uma aventura culinária? Há quem prefere refeições saudáveis e práticas, como picar legumes e frutas, lavar umas folhas verdes para confeccionar uma salada bem nutritiva e colorida. Algumas pessoas se aventuram nas massas e seus molhos mirabolantes! Outras não tem jeito com pratos salgados e preferem fazer o "doceterapia" por mais simples que seja, desde um brigadeiro ou beijinho até um bolo ou pudim. Confesso que prefiro os pratos salgados, mas as receitas doces que eu me adaptei melhor são aquelas que preparadas por etapas, como pavês por exemplo: faz o creme amarelo, enquanto esfria, faz a parte principal do pavê e depois o creme branco... depois é só montar as etapas - parte principal, creme amarelo e por último creme branco (um em cima do outro sem stress!) e geladeira. Outra confissão: quem faz bolo na minha casa é o maridão, pois o meu fica solado, não assa direito, cresce torto .... enfim, um horror!

Tenha bom senso. Nada de abuso.

Por isso, minha gente, aproveitem esse momento pra deixar seu sistema imunológico mais forte, não comprem tudo de uma vez por 2 motivos: frutas, legumes, verduras e proteína animal estragam se não consumir logo (salvo a proteína animal que se for temperada assim que chegar do mercado e já colocar no congelador, dá pra prorrogar o tempo de consumo), e outras pessoas também precisam abastecer suas dispensas e geladeiras, portanto, usem o bom senso na hora das compras, respeitem o próximo (que pode ter uma situação financeira menos confortável que a sua e também precisa levar os produtos pra casa) e não esqueçam que o momento que estamos passando não é férias, é isolamento MESMO! Temos outros países como exemplo severamente crítico e trágico, nos ensinando sobre empatia às duras penas. Por isso, JUÍZO!

Vamos para as aventuras culinárias? Próximo post: tapioca doce e salgada e os benefícios dos seus ingredientes.

Fonte da imagem: Google

Comentários

Popular Posts

Restaurante Cais da Villa

  O cais mais chique 'da' Vila...Real.  Depois de 4 anos morando aqui, sempre tinha ouvido falar sobre esse restaurante, entretanto, a vida de estudante não permitia o investimento financeiro aos comes e bebes do estabelecimento.  Sim, Vila Real é movida pela Universidade. São mais de 7.000 novos alunos que chegam anualmente para estudarem aqui. Durante a pandemia, virou uma cidade fantasma. Sem praxes e festas acadêmicas, sem agito, sem nada.  Todavia, eu tenho que admitir, os universitários sacodem tudo e levantam a poeira. Portanto, o público-alvo do Cais da Villa não é voltado para eles. É realmente um restaurante caro para o interior do Norte de Portugal. Talvez se estivesse em uma cidade mais cosmopolita e turística como Lisboa, Porto, Coimbra ... daria para entender, mas em VR?  Enfim, eu fui! O Cais da Villa está situado na estação ferroviária, em um antigo edifício histórico com mais de 100 anos: "Neste espaço de ambiente informal funciona o restaurante à carta,

É Beef Wellington, Boeuf en Croute ou Steig Wellington?

A cultura gastronômica do bife mais famoso Esses dias eu, sem querer, vi um vídeo do chef francês Claude Troisgros no qual ele ensinava um adolescente a fazer o Bife Wellington. Claro que eu assisti o passo a passo todo e o meu apetite abriu na hora! Mas uma curiosidade surgiu: por que esse prato recebe o nome de Wellington? Quem foi Wellington? O que ele fez? É uma figura importante? E lá fui eu matar a minha curiosidade. Origem do prato Arthur Wellesley, primeiro duque de Wellington Para início de conversa, ou leitura, a origem do prato é incerta e não se sabe se é francesa, inglesa ou irlandesa. P ude encontrar um melhor aprofundamento informativo em The Food Timeline , além de receitas datadas em ordem cronológica através de uma linha do tempo e várias versões que recebem o mesmo nome. Tudo indica que existe uma contenção histórica a respeito da origem do Bife Wellington, entretanto, os historiadores apontam que o nome foi dado em homenagem a Arthur Wellesley, primeiro duque de We

Você sabe por que o Crepe recebeu o nome de Suzette?

Curiosidades da cultura gastronômica Uma das coisas que mais atiça a minha curiosidade é saber porque os pratos recebem nomes próprios. É muito comum ver ruas com nomes de pessoas que fizeram diferença e foram importantes para a cidade, mas na gastronomia muitos dos "batismos" não são por causa do chef que inventou tal prato e muito se deve à situação ou momento que foi criado. Esse delicioso crepe aponta algumas versões, entretanto todas são interessantes.  Primeiro de tudo: o que é Crêpe Suzette? É uma sobremesa. Considerada uma panqueca bem leve e fininha que é servida dobrada em um molho de laranja, limão (alguns colocam), açúcar e manteiga com licor de laranja ou conhaque e flambada à mesa. A receita original usa o Licor de Curaçao (de laranja amarga) e, posteriormente, o licor Grand Marnier foi adotado à receita que também é um licor de laranja feito de conhaque Cognac. Origem incerta... Versão 1:  Tudo indica que foi em 1896, no Café de Paris em Monte Carlo, pelo chef